domingo, 12 de novembro de 2017

AGRESTE: Prefeitos buscam recuperar cajucultura

Secretário de Agricultura de Surubim José Mariano e os prefeitos Robevan Lima, João Camelo e Ana Célia ouvem explicações do chefe da Estação Experimental, Carlos Bezerra (Foto: Fernando Guerra/ Divulgação)
Do CORREIO DO AGRESTE (Fernando Guerra)
charlesnasci@yahoo.com.br

Uma comitiva formada por agrônomo, técnicos agrícolas, pequenos produtores rurais e prefeitos de Surubim, Casinhas e Santa Maria do Cambucá, esteve no último dia 9 de novembro em Pacajus, Ceará, estudando formas de recuperar a cajucultura na região. Anteriormente, em julho de 2015, outra comissão com prefeitos regionais, também esteve no Campo Experimental de Pacajus com os mesmos objetivos.
Comitiva formada por integrantes de Surubim, Casinhas e Santa Maria do Cambucá que viajou até a cidade de Pacajus/CE (Foto: Reprodução/ Divulgação)
Entretanto, todos aqueles projetos resultaram em nada, frustrando uma expectativa de fortalecimento da economia rural nas áreas de solo arenoso existentes no Agreste Setentrional pernambucano. Enquanto Robevan, o prefeito de Santa Maria do Cambucá fez sua segunda viagem àquele estado, Ana Célia de Surubim e João Camelo de Casinhas participaram pela primeira vez dessa Excursão Técnica.
Dr. Raimundo Nonato faz explanação sobre os clones de cajueiro e manejo da cultura (Foto: Fernando Guerra/Divulgação)
No local, ocuparam-se de intensa programação com aulas teórico-práticas sobre a cultura do cajueiro, abordando os temas “Clones de Cajueiro e Manejo da Cultura”, “Produção de Mudas de Cajueiro” e “Processamento de Castanhas e Pedúnculos de Caju”. A prefeita Ana Célia, demonstrou firme propósito de implantar em Surubim, um conjunto de ações capazes de resgatar o cultivo dos cajueiros no município.
Antônio Teixeira demonstra como se faz a enxertia e se propagam as mudas de cajueiro (Foto: Fernando Guerra/Divulgação)
Essa cultura já teve destaque entre os pequenos produtores em passado recente. No entanto, com o declínio da produtividade dos cajuais parte considerável deles migraram para outras atividades, inclusive vendendo suas propriedades para a retirada de areia para a construção civil. A proposta para essa retomada, passa inevitavelmente pela introdução de variedades de cajueiros mais produtivos e a adoção de tratos culturais indispensáveis ao sucesso desse empreendimento.
Marlos Bezerra, chefe adjunto de transferência de tecnologia da Embrapa Agroindústria Tropical, discorre sobre a cultura do cajueiro (Foto: Fernando Guerra/ Divulgação)
Formas de processamento de castanhas e cajus, agregando valor à produção, devem criar as condições necessárias para a plena recuperação da atividade em toda a região. A prefeita já nomeou um grupo para levar adiante esse projeto, tendo à frente o coordenador da Secretaria de Agricultura, Paulo Bandeira com o apoio do IPA que se fez representar nessa viagem pelo agrônomo Bruno Borba. Conforme ficou claro,o primeiro passo a ser dado é a instalação de um jardim clonal que permitirá a produção de mudas de cajueiros no município.

Você também viu?

Walter Borges, cuja capacidade de articulação tem se notabilizado, foi o autor desse entendimento entre os prefeitos e a EMBRAPA, resultando nessa viagem que pode abrir novas perspectivas econômicas para o Agreste.